Quarta, 14 de setembro de 2016.

Open Fórum – Trânsito e Transformação realiza debate sobre “álcool e direção”

O Instituto Renault, em conjunto com o Serviço Social da Indústria do Estado do Paraná (Sesi), o Centro Internacional de Formação de Atores Locais para a América Latina (Cifal Curitiba) e a Ecovia Caminho do Mar realizaram, nesta quarta-feira (14), a quarta edição do Open Fórum – Trânsito e Transformação, encontro anual para debate de temas ligados à segurança viária e à mobilidade urbana. O evento foi realizado no Campus da Indústria, em Curitiba (PR).

Neste ano, o Open Fórum, foi reformulado, promovendo o encontro entre especialistas e representantes da sociedade civil para discutir um problema em grande parte responsável pelo alto número de acidentes e de mortes no trânsito no Brasil: a mistura de álcool e direção.

“O Instituto Renault tem como um dos eixos de atuação Educação para a Segurança no Trânsito. Acreditamos que apenas a educação e o debate de temas relevantes como este podem ajudar o país a reverter um quadro de quase 50 mil mortes por ano em acidentes de trânsito. Com essa finalidade, o Instituto realiza diversos tipos de ação ao longo do ano, envolvendo crianças, jovens e adultos, a exemplo desta quarta edição do Open Fórum – Trânsito e Transformação”, afirma Caique Ferreira, vice-presidente do Instituto Renault e diretor de Comunicação da marca.

Ferreira foi o mediador de um painel composto pelo doutor Dirceu Rodrigues, diretor do departamento de Medicina Ocupacional da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet); Eduardo Biavati, mestre em sociologia, escritor e especialista em educação e segurança no Trânsito; e o doutor Augusto Gluszczak Junior, juiz e autor do projeto “Sobriedade no Trânsito”, que busca estimular a discussão dos perigos de combinar álcool e direção.

O evento contou com a presença de cerca de 120 pessoas, entre representantes da Polícia Militar, Guarda Municipal, Detran e Secretarias de Trânsito e Educação.

Debatendo soluções

Dirceu Rodrigues explicou ao público presente as diferentes reações que o álcool provoca no corpo humano. O médico comparou as mortes no trânsito a uma epidemia, que se alastra no Brasil sem que haja a adoção de medidas de controle efetivas. “O problema vem sendo negligenciado”, afirmou.

Na avaliação de Eduardo Biviati, leis não são suficientes para que o Brasil caminhe em direção a um trânsito mais humano e seguro. Para ele, é necessário, sobretudo, alcançar os jovens. “É preciso que se fale a língua da juventude, que se entre no mundo deles para trabalhar a educação no trânsito e a conscientização”, disse.

Já o magistrado Gluszczak Júnior contou sua experiência na aplicação de penas a infratores de crimes de trânsito. Constatando a pouca eficiência de punições como a doação de sextas básicas, ele passou a determinar punições educativas como a assistência em hospitais a pessoas que sofreram acidentes de trânsito. “Há casos de pessoas que cumpriram a pena e passaram a se dedicar voluntariamente a esse tipo de serviço”, concluiu.

Instituto Renault

Criado há seis anos, o Instituto Renault tem como objetivo promover ações voltadas à sustentabilidade socioambiental, atuando em três eixos: Capital Humano, voltado ao Desenvolvimento Social, à Educação e à Diversidade; Meio Ambiente, promovendo a sustentabilidade ambiental; e Educação para Segurança no Trânsito, que tem como destaque o projeto “O Trânsito e Eu”. Cerca de 400 mil pessoas já foram impactadas pelas ações do Instituto Renault.

Sesi Paraná – O Serviço Social da Indústria (Sesi) no Paraná entrega soluções em segurança, saúde e educação para a indústria, para o trabalhador e sua família. Com o objetivo de reduzir despesas com saúde, prevenir acidentes de trabalho e promover a saúde dos trabalhadores, o Sesi oferece consultorias e serviços exclusivos para a indústria, garantindo mais competitividade e produtividade para os negócios, diminuindo gastos e atuando de forma preventiva. Com foco na educação inovadora ao alcance do trabalhador da indústria, o Colégio Sesi é a maior rede de Ensino Médio do Paraná, e conta com cinco unidades internacionais.

Ecovia – A Ecovia é uma empresa do GrupoEcoRodovais. No Paraná é responsável pela operação e manutenção da BR-277 – rodovia de grande importância comercial e turística na Região Sul, por ligar Curitiba ao Porto de Paranaguá, numa extensão de 84 quilômetros em pista dupla, além dos segmentos rodoviários PR-508 (Alexandra-Matinhos), e PR-407 (Pontal do Paraná). A empresa também presta manutenção nas rodovias de oferta que ligam a BR-277 às cidades de Morretes e Antonina. A Ecovia oferece ainda os Serviços de Atendimento ao Usuário (SAU) nos km 35 e 11 (sentido Paranaguá) e km 61,2 (sentido Curitiba) onde há banheiro, fraldário, café, água e telefone público.

CIFAL – O Centro Internacional de Formação de Atores Locais para América Latina - CIFAL, sediado em Curitiba desde 2003, é uma iniciativa do Programa de Cooperação Descentralizada do Instituto das Nações Unidas para Treinamento e Pesquisa - UNITAR. O centro é responsável por desenvolver programas de capacitação e promover cooperações técnicas que contribuam para o desenvolvimento urbano sustentável e o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas (ODM). O CIFAL é uma parceria formada entre o Instituto das Nações Unidas de Treinamento e Pesquisa – UNITAR, O Serviço Social da Indústria do Paraná – SESI e a Federação das Indústrias do Estado do Paraná - FIEP.

Fotos Relacionadas

Baixar fotos selecionadas
Baixar todas as fotos

Releases Relacionados